‘Nós vamos fazer dinheiro sair do chão’, diz Paulo Guedes sobre deficit
Thursday, 18 April 2019
Blue Red Green

‘Nós vamos fazer dinheiro sair do chão’, diz Paulo Guedes sobre deficit

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta 2ª feira (8.abr.2019) que pretende “produzir dinheiro o suficiente” para mostrar que não estão “preocupados com esse troço aí”, referindo ao deficit primário previsto para este ano de R$ 139 bilhões.

“O compromisso é que nós vamos levantar caixa o suficiente para ninguém ficar em dúvida. Meta do BNDES: devolver R$ 126 bilhões esse ano porque pedalaram o BNDES então nós vamos despedalar o BNDES. […] Mais R$ 80 bilhões em privatizações esse ano. Já são R$ 200 bilhões”, afirmou durante o debate “E Agora, Brasil?” promovido pelos jornais O Globo e Valor Econômico sobre 100 dias de governo.

O economista afirmou ainda que o governo vai “fazer dinheiro sair do chão aí de qualquer forma” citando ainda devoluções a serem feitas pelos bancos Caixa e Banco do Brasil.

“Vem mais R$ 80 bilhões do que eu chamo de instrumento livre de crédito que foram também alavancas para pedalar, pedalaram também na Caixa, pedalaram no Banco do Brasil. A Caixa vai vender subsidiária para me pagar, o BB vai vender subsidiária para me pagar. Paguem a União, paguem a União”, completou.

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), também participou do evento realizado nesta 2ª feira (8.abr.2019) no B Hotel, em Brasília.

Em relação à reforma da Previdência, o economista negou que esteja projetando uma economia de R$ 800 bilhões em 10 anos com a reforma, conforme informou uma agência de notícias. “É fake news”, declarou.

Guedes voltou a dizer que o R$ 1 trilhão é necessário para tornar possível a introdução de 1 sistema de capitalização, no qual cada trabalhador poupa para sua aposentadoria.

Ele negou ter assumido a articulação política da reforma. “Eu não tenho a pretensão de ser coordenador político. Vocês viram meu desempenho lá” em referência à sua participação na audiência pública da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça da Câmara).

“Eu sou animal de combate. […] Eu não me considero 1 bom político. Eu acho que eu sou 1 defensor honesto de algumas propostas”, declarou.

Fonte: msn.com. | Ludmylla Rocha